Covid, LRF e a priorização do coletivo sobre o individual